segunda-feira, março 23, 2009

Os meus olhos

Os meus olhos são os olhos
Dos que querem ver.
E, se calhar, as mais das vezes,
Não conseguem nem sequer alcançar
O longe que importa conhecer.

Os meus olhos são os espelhos
Que desvendam o profundo em mim.
E, se calhar, a maior parte das vezes,
Apenas conseguem ser manifestação
Do teatro que até somos capazes.

Os meus olhos são as janelas
Dos espaços que preencho em mim.
E, se calhar, muitas vezes, até demais,
Mais não são que frechas abertas
Na muralha que envolve o meu templo.

5 comentários:

~*Rebeca e Jota Cê *~ disse...
Este comentário foi removido pelo autor.
Dan disse...

Linda poesia, gostei muito.
Há um tempo atrás publiquei está no meu blog que também fala em olhos, espero que goste:
Olhos de criança
Olhos que olham
Olhos pequenos
Que vêm barbaridades
Olhos que se perdem
Na imensidão
Do real
De um mundo que nada diz
Olhos apenas olhos...

~*Rebeca e Jota Cê *~ disse...

Os seus olhos são tão poéticos...

Passando pra desejar um maravilhoso final de semana.

=]


Rebeca

-

Zé Maria disse...

Caros Rebeca e Jota Cê:
Claro que gosto.
E olhem que estes mimos aquecem-nos mesmo o coração.
Abraços muitos e até

Efigênia Coutinho disse...

Zé Maria, a tua poesia é plural, multifacetada, plussignificativa. Por conseguinte, a maneira de decifrar o que se observa ou perscruta, é diferente em cada ser humano! Este é o enigma e a essência da poesia.

Adoro ler você,
Efigênia Coutinho

obs: aos dois post meus novos versos.