segunda-feira, fevereiro 09, 2009

Salmo

Estendi-te a minha mão
Aquela com que calei
A verdade
Aquela que me impediu
De ver a injustiça
Aquela que me fez surdo
Ao ouvir os que sofrem
E não contam

Estendi-te a minha mão
Aquela com que feri
Ao falar ou ao calar
Aquela que provocou
O desconhecimento de ti
Aquela que impôs apenas
A minha vontade

Estendi-te a minha mão
Mão árida e estéril
Mão de vergonha disfarçada
Mão quase inerte
De vida por descobrir

Estendi-te a minha mão
E, afinal e apesar de tudo,
Tu a aceitaste

5 comentários:

mundo azul disse...

_______________________________

Um poema belo e acolhedor...

Há sempre tempo para tudo!


Beijos de luz e carinho...

__________________________________

Multiolhares disse...

Só quem tem amor no coração, sabe estender a mão.
bj

Anónimo disse...

está uma referência ao seu blogue no seguinte endereço:
http://fait-divers.blogs.sapo.pt/

mulher lua disse...

Gostei muito, bóra lá a estender também a mão que só fez coisas boas...

Veijios

Zé Maria disse...

Mundo Azul
Multiolhares
Ricardo
Mulher Lua

Cá por mim, estendo a minha mão.
Só que pouco tenho...

Obrigado a todos pela simpatia
Abraços