terça-feira, maio 05, 2009

Em nome de algo

Em nome da verdade única e absoluta
Apenas conseguimos a mentira abjecta.

Em nome de sinais cruzados de madeiros abertos
Apenas provocámos a noite das cruzes mortíferas.

Em nome de obediências cegas e forçadas
Apenas pudemos os fogos proclamados purificadores.

Em nome de tolerâncias mais ou menos impostas
Apenas descobrimos intolerâncias ditas tolerantes

1 comentário:

~*Rebeca e Jota Cê *~ disse...

Zé,

Seu jeito de escrever é tão gostoso de ser lido... amo seus comentários, amo a forma que nos enxerga, você sabe ser luz, viu?

Em nome da amizade, você realmente é um poeta.

Beijo grande.

Rebeca

-